quinta-feira, 8 de maio de 2008

SEM SEXO




(texto lido no sarau da AIC em 07 de maio)

Mal a porta bate, pode sentir o cheiro de rosas no quarto e o toque bruto de Inocêncio nas suas coxas. Gosta dos calos das mãos masculinas e o prazer que deixam marcado na pele. Tem o hábito de contar na última folha do talão de cheques os dias em que está sem ver um homem nu: duzentos e cinqüenta e oito, graças ao desastre de carro que matou o marido. Tem quatro horas para relembrar os seus melhores ângulos e exibi-los ao espelho do teto e a Inocêncio. Separou na noite anterior o melhor sutiã, meia-taça, e a menor calcinha.

Inocêncio bebe o vinho tinto seco indicado no menu. Ela comemora a temperatura ambiente: vinte graus. Ideal para simular excitação. Esperar que o álcool transforme o colega de viatura em galã é perder tempo, pois já sente a intimidade latejar. Romântica, retardaria o momento de despir a lingerie, mas a precipitação desabotoa o meia-taça, que cai no chão em câmera lenta e ela se arrepia cheia de expectativas. Revelam-se aos olhos do policial seios grandes. Inocêncio, que nunca esteve diante de tal abundância e tanta iniciativa, recua (inseguro?). Ela deixa a calcinha escorrer pelas pernas grossas até encontrar o carpete, encardido de outros prazeres. Inocêncio reprime a manisfestação precoce do seu desejo. Ela se atira aos lençóis de cetim salmão e o traz consigo, ainda vestido. Com a confiança recuperada, ele aborta as preliminares, arranca o uniforme e se concentra na (jura!) satisfação carnal da amante.

Deveria pelar o aproximar de seus corpos. Deveria haver suor tatuando nucas e abdômens. Mal dançam os quadris nas ondas do colchão de água. Mal encostam-se as bocas urgentes de beijos agressivos. Ele grita, enquanto o tédio dela olha para cima, pensando em marcar o reflexo dos cabelos para sábado.

- O ar condicionado está ligado?

Inocêncio, antes empenhado em gemidos primatas, interrompe as fracas reboladas das nádegas peludas. Ao perceber que o homem poderia desabar em choro, frustrações e posteriores broxadas, ela unha a cintura dele e refaz:

- Não pare agora!

O entusiasmo dá continuidade aos movimentos monótonos, desta vez, mais mecânicos, de Inocêncio. E ela pensa:

- Só falta querer dividir a conta!


2 comentários:

Fabio Oliveira disse...

Divertido. E real (?!)
Que legal !!

Priscila disse...

não fabio... só um texto mesmo. :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...