sexta-feira, 14 de março de 2008

LIMÃO-BANANA

Vocês já viram um limão com vontade própria? Eu não, mas soube de um. Aconteceu na semana passada com a minha vizinha de seis anos. Abri a porta e dei de cara com a Yasmim chorando e foi difícil me controlar para não rir daquela coisinha de bochechas gordas, borrando toda a sua maquiagem de palhaço. Era dia do circo e as professoras fizeram essa surpresa para a criançada. “Que aconteceu, Yasmim?”. Entre soluços e fungadas ela me contou que um limão não sabia se queria servir de suco para ela. No Pré-III eu conversava com a pia do banheiro e via sombras andando pelas paredes de casa, então achei que fosse coisa da idade e me ofereci para acertar as contas com o limão. Mas não éramos tão parecidas assim, já que ela agradeceu, mas recusou a minha ajuda. Disse que era um assunto que deveria resolver sozinha com o limão. Ver uma criança auto-suficiente me dá raiva. Não dela, mas de mim, que sempre fui uma tonta incapaz de solucionar os problemas da infância sozinha! Uma bronca da professora se traduzia em fracasso. Mas coisas sérias nunca me abalaram. De um acidente de carro na Marginal Pinheiros a um assalto com revólver na cabeça há dois dias. Então aquele limão medíocre se fazendo de difícil para a minha vizinha de seis anos... Era sacanagem! Eu queria dizer para a Yasmim procurar outro limão, já que esse não estava cooperando e que os limões são todos iguais! Eu queria entrar na casa dela à noite e jogar a laranja da fruteira no lixo, porque com certeza ela devia ter alguma coisa a ver com isso. Mas achei que talvez fossem visões muito precoces para uma menininha do pré-primário. Não queria ser a responsável por ela odiar os limões para sempre e não experimentar caipirinha (de pinga, saquê ou vodka) na adolescência.

Logo soube que Yasmim só havia tocado a minha campainha para pedir uma música. “E desde quando você conhece Mombojó?” E essa malandra ainda tem um gosto musical bacana! Só faltava fumar e discutir o cinema de Antonioni tomando cappuccino! O limão havia contado que gostava das músicas do Mombojó. Emprestei o primeiro álbum.

Naquela noite Yasmim ligaria o radinho do seu quarto para ouvir a faixa oito, Adelaide. Apagaria a luz e esperaria pelo sono contando limõezinhos espremidos em uma jarra de suco transparente. Eu sentaria para tomar uma cerveja com os amigos, porque de caipirinha já enjoei (elas são todas iguais!) e pensaria em uma maneira de fazer Yasmim colocar esse limão contra a parede. Se ele não quisesse virar suco, que tivesse a coragem de dizer, assim ela poderia abrir a geladeira a pegar uma maçã.

4 comentários:

Anônimo disse...

Quem precisa de limões?...

Guilherme disse...

Tô numa fase de fazer minhas próprias limonadas sabe, espremer um por um até deixar o bagaço!
Adorei! Vou faze ruma agora!
rs
Bjos nenhum pouco azedo!
:)

Fellipe Fernandes disse...

Tudo bem, Priscila, eu até concordo que ela tem gosto musical bacana, mas não acho que pra ser ainda mais bacana teria que fumar e discutir Antonioni (aliás, por mais que adore o Antonioni, eu tenho pavor de ficar discutindo filme por aí, como se o entendimento dependesse só do meu ponto de vista...rs)
Ficou-me uma dúvida: será que, com o passar dos anos, a Yasmim vai casar bêbada?
Quanto a um dos comentários que você recebeu, acho que ele merece uma resposta:
Ora, caro anônimo, todos precisamos de limão: como saberíamos o que é doce se antes não soubéssemos o que é o azedo?
Beijos pra ti e até segunda!

Priscila Nicolielo disse...

Fê, se ela me escutar não vai ser a noiva do romance, não! rsrs
Gui, vai!
Anônima... a gente precisa!
beijos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...