terça-feira, 28 de outubro de 2008

IÔ-IÔ

para C.

Me implora romântico, por carta:


Me enrola em lençóis e mentiras,

que eu topo mais uma vez.

A penúltima.


Guardo na bolsa. O papel tem seu perfume. Eu sei que você fez de propósito. Releio entre uma rua e outra. Dia após dia. Mas as palavras vão escorrendo. Apagam-se a cada semana que passo sem notícias suas. E quando, como pelas folhas de sulfite, já não procuro mais por lembranças daquele domingo, outra carta:


Me esquece.


Essa, rasgo. Acomodo os pedaços dentro de uma caixa, caso me arrependa mais tarde. Seu texto me enjoa. É repetitivo. Num berro, escrevo também. Desta vez, por necessidade de preencher linhas. Apenas.

2 comentários:

Débora disse...

É redundante elogiar o que você escreve, mas eu sou insistente.
EU ADORO!
Sabe o que eu mais gosto? Que quase sempre que entro aqui tem coisa nova e coisa boa...tá tudo borbulhando aí, hein? Que maravilha!
Beijos!

Priscila Nicolielo disse...

Obrigada Dé.
Eu sou fã dos seus momentos desabafos!
Queria ter a sua idade e escrever desse jeito! rsrsrs

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...